Connect with us
               

Manaus, AM,

POLÍTICA

Pesquisa de intenção de voto mostra que Omar Aziz deve ser reeleito nas eleições do ano que vem

Publicado

em

Divulgada nesta terça-feira (14), a pesquisa feita pela Perspectiva Mercado de Opinião, do empresário Durango Duarte, mostra que o senador Omar Aziz (PSD) deve continuar no Congresso Nacional por mais oito anos.

Isso porque Aziz aparece com 25% das intenções de voto em um cenário com cinco candidatos: Arthur Virgílio Neto (PSDB), Henrique Oliveira (Pros), Coronel Menezes (Patriota) e Chico Preto (sem partido).

Essa tendência é confirmada pelos números coletados em Manaus e mais dez cidade do Amazonas de 5 a 13 deste mês. O ex-senador tucano é o que mais se aproxima de Aziz, com 21,7%. Os demais ficam abaixo de 15%.

Conforme os dados indicados pela pesquisa, o desempenho dos disputastes à Presidência da República vai influenciar diretamente na eleição da única vaga ao Senado. Por exemplo, a provável disputa entre Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (sem partido). O estudo da Perspectiva sugere que o atual presidente vence o petista na capital.

Dessa forma, o candidato de Bolsonaro a senador deve também ter um desempenho melhor do que o de Aziz, declaradamente adversário político do atual presidente. Então, dificilmente um eleitor bolsonarista votaria naquele que, como presidente da CPI da covid, tem criado e deve criar mais problema ainda ao governo.

Contudo, no interior do estado, Aziz devolve possível diferença de votos na capital com juros. Venceria o candidato de Bolsonaro e todos os demais de goleada, diz a Perspectiva.

E ainda lembra o pesquisador que essa vantagem pró Omar Aziz aparece em apenas dez dos 61 municípios.

Votos capital x interior

Sobre a pesquisa

A Perspectiva ouviu 1.800 eleitores de Manaus (55%) e de dez municípios (Manacapuru, Itacoatiara, Parintins, Tefé, Coari, Maués, Iranduba, São Gabriel da Cachoeira, Manicoré e Tabatinga).

Conforme Duarte, essa amostra representa 73,6% do eleitorado do estado.

A margem de erro é de 2,3%, para mais ou para menos, com um grau de confiabilidade de 95% (se realizada 100 vezes, em 95 delas, portanto, a pesquisa dará esse resultado), afirma a empresa.

Mais Lidas