Connect with us
               

Manaus, AM,

AMAZONAS

Prints de Whatsapp mostram como atua ‘gabinete do ódio’ comandado pelo Dermilson Chagas

Publicado

em

Uma série de prints de conversas via Whatsapp divulgados nesta terça-feira (23) mostram como opera o chamado “Gabinete do Ódio”, comandado pelo deputado estadual Dermilson Chagas (sem partido) de dentro da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM) e mantido as custas de dinheiro público.

Conforme denúncia feita no dia 10 de setembro deste ano por uma ex-servidora de 31 anos, na Delegacia Especializada em Repressão aos Crimes Cibernéticos (Dercc), Dermilson estaria mantendo, com dinheiro público, uma estrutura para criar conteúdos ofensivos com o objetivo de atacar a honra de seus adversários. O farto material apresentado à polícia, revelou um cenário de deslealdade e traição no ‘coração’ da Casa Legislativa.

O conteúdo era encaminhado por um celular do deputado, conforme os prints, e tinha ‘alvos’ certos como o presidente da ALEAM, deputado Roberto Cidade (PV), e o deputado Delegado Péricles (PSL). Conforme imagem abaixo, Dermilson manda para a assessora uma montagem onde Cidade aparece ao lado de Wilson Lima, como sendo procurados, e além disso, com a frase “Inimigos do Amazonas”, sugerindo também o impeachment do governador.

Já em outro momento, o alvo é o Delegado Péricles. Segundo a publicação sugerida e encaminhada por Dermilson, Péricles teria assinado a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde, da ALEAM, por puro protagonismo. Na foto do delegado, ainda aparece a frase: “Falso igual o governador e o presidente da ALEAM”.

De acordo com o depoimento da ex-funcionária, ela pediu exoneração do cargo que ocupava na alta cúpula do gabinete de Dermilson, após não aguentar as pressões e humilhações cometidas, segundo ela, pelo parlamentar. Ainda conforme a delação, a ex-servidora assumiu a autoria de mensagens difamatórias, caluniosas e de falsa identidade tendo como vítima o governador Wilson Lima, e que eram disparadas à população em geral e autoridades, por meio do número de WhatsAppp (92) 99617-35xx.

No print acima, apresentado pela ex-servidora, Dermilson supostamente dá coordenadas de como os vídeos devem ser montados para, posteriormente, serem disparados à população e políticos. A ex-assessora conta, também, que assumiu a comunicação do gabinete em janeiro deste ano, e ficou responsável pelas publicações no WhatsApp a mando do deputado para divulgar notícias contra o governador, tendo como ‘ajudantes’ um editor de vídeo e um designer, ambos responsáveis por produzirem conteúdos criminosos tais como vídeos e memes.

Ela revela, ainda, que outro ex-assessor – que atualmente mora em Curitiba – também pediu exoneração por não aguentar as humilhações de Dermilson e que, inclusive, o deputado ameaçava frequentemente seus funcionários de demissão e de perseguição, caso as mensagens falsas e criminosas em desfavor de Wilson Lima e diversos políticos do Amazonas não fossem publicadas.

Em outra mensagem, trocada entre Dermilson e a ex-servidora, ele sugere que as pessoas comecem a perguntar se os deputados estavam trabalhando no dia 24 de junho deste ano, e que o plenário supostamente vazio naquela data é “a realidade em dias de sessão”.

Dermilson também sugeriu um ‘meme’, desta vez envolvendo o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido); o governador Wilson Lima e o presidente da ALEAM, Roberto Cidade. Ele usou uma imagem de Bolsonaro levantando um ‘cartaz fake’ que sugere o impeachment de Lima. Na verdade, a foto é do dia em que o presidente recebeu o Título de Cidadão do Amazonas. O senador Omar Aziz (PSD) também é atacado em uma foto em que aparece de braços dados com o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.

Ao perceber que a ex-servidora deixou de compactuar com as publicações e que estava cansada das humilhações, Dermilson tentou uma série de conversas com ela, sempre recebendo negativas. “Eu já não conheço o Dermilson do início dessa história política e como pessoa”, escreveu. E completou: “Não tenho mais nada para tratar com você, tudo eu já resolvi com o seu chefe de gabinete. Um conselho que te dou: procure um terapeuta, e se reencontre. Você tá completamente surtado e doente. Gratidão por tudo, Deus te abençoe”, finaliza ela.

Ainda nas conversas, é abordado a criação de uma suposta chapa encabeçada pelo ex-governador do Amazonas, Amazonino Mendes, e o ex-prefeito cassado de Coari, Adail Filho, de olho nas Eleições de 2022.

Também na delação, a ex-servidora diz que abriu uma agência de comunicação, mas que não consegue desenvolver seus trabalhos por conta de inúmeras perseguições por parte do deputado e que teme por sua vida e de sua mãe, devido a influência política de Dermilson Chagas. As investigações em torno do caso já foram remetidas ao Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM).

Mais Lidas